Contos Draconianos

A Maldição de Mal'gazon

mestre: Leote
jogadores: Balbi, Fernando, Heitor e Tiquinho

Calculando os ganhos e perdas

O grupo foge batante abatido com o tesouro de Mal’Gazon, contabiliza e divide seus ganhos e trata os feridos, com o corpo de Baudolino resgatado.

A agonia de Judith

Logo antes do pernoite, Judith passa muito mal, se contorcendo estranhamente, com sua pele absurdamente tensionada. Logo começa uma erupção de raízes de seu corpo, que começam a esticar e crescer.

Yekaterina faz um feitiço de remove curse sobre a bruxa e as raízes secam e caem prontamente, para o alívio de todos. O grupo começa a se reorganizar conforme a chuva, antes garoa, passa a engrossar e apertar, e com sorte alguns percebem duas árvores grandes e secas, de cascas rompidas de onde escorria um denso e escuro visco, começarem a caminhar ameaçadora, ainda que lentamente, em direção ao local onde estão.

Todos se apressam e resolvem desfazer o acampamento e fugir dali, até encontrarem o pássaro roca amigado por Aziz voando em ronda, que desce para o resgate no meio da cordilheira.

Mudança de Planos

O grupo resolve reatar ao pássaro o barco que utilizavam como cobertura no acampamento para não precisarem abandonar o tesouro e ganham tempo com uma wall of fire lançada por Aron. Mais árvores se aproximam e jogam muitos frutos que não os acertam, mas que poderiam ferir caso o fizessem. Bloqueadas, porém, não passam de um breve inconveniente até que o roca toma os céus levando os heróis e seus pertences.

Percebendo, porém, que todos os alimentos estavam completa e estranhamente podres, o grupo resolve abandonar os planos de assaltar o lar dos Orcs albinos das montanhas e voltar a Muriel, sendo Baudolino ressucitado por Yekaterina, depois de consultar Tromus em cerimônia na qual o deus abriu mão da alma do guerreiro.

A Maldição de Mal’Gazon

Aos 29 dias de Ruby do ano 302 da Era de Liléia, o grupo chega de volta a Muriel.

Todos se ocupam inicialmente de guardar seus tesouros, checar as instituições da cidade e seu funcionamento.

Baudolino negocia 2 navios por conta de suas dívidas e promete entregá-los em até 4 meses.

Laio percebe as milícias de Baudolino um tanto confusas, sem entender o motivo, mas vê seus homens e as defesas da cidade se reconstuindo.

Yekaterina realiza seguidos cultos de grande expressão, passando confiança ao povo e reforçando a autoridade da Igreja de Tromus.

A população comemora o tesouro conquistado e passa dias a festejar.

O que ocorrem ao longo dos dias, porém, não é nada bom. Muitos doentes começam a aparecer na cidade a ponto de se tornar um mal epidêmico. Alguns, inclusive, começam a apodrecer vivos, exalando odores pútridos e perdendo partes do corpo.

Yekaterina tenta tratamento mas não encontra nem magia que dê jeito; chega a tentar remove curse e consulta Tromus a respeito da natureza do problema, e certifica-se de que é uma maldição maior do que seus poderes lhe permitem lidar.

A situação piora quando toda a comida da cidade começa a apodrecer muito rapidamente.

O povo começa a ficar desesperado e uma turba enfurecida acusa na praça a presença da bruxa Judith na cidade com causadora do mal, exigindo sua cabeça. Laio se pronuncia no altar de Tromus e tenta acalmar a todos, mas sem sucesso. Baudolino e alguns homens organizam preces a fortuna, o que gera ainda mais confusão com Yekaterina e os fanáticos a Tromus.

Temendo o pior, o rei e seu pégaso Aladão pegam Judith e voam para local seguro, a tempo de ver lá de cima vários focos de incêndios na cidade causados pelas revoltas. Em um monte próximo, a bruxa diz que há um druida chamado Eucaliptus que poderia ajudar e que talvez seja a única solução.

Baudolino consegue disbaratar alguns focos da turba utilizando-se de uma poção de human control e Yekaterina termina por acalmar a cidade sacrificando 7 fiéis voluntários em eloquente cerimônia; do último sacrificado, escorre um misterioso sangue negro e viscoso que corroi a estrutura do templo em vez de correr até a pia de sacrifício, como deveria.

Em busca do druida

O grupo sai no dia seguinte em busca do druida na floresta de Zomark, a oeste. No caminho, o grupo é atacado por abelhas selvagens que são rapidamente abatidas.

O druida é facilmente encontrado, com suas longas barbas como raízes de plantas e cabelo esverdeado, em frente a um lago bem frio, dentro de uma quente e úmida caverna de onde brota um vapor com forte aroma – de eucalipto.

Eucaliptus pergunta, com seu agradável hálito herbáceo, quem mandou o grupo; em seguida por que Judith não os acompanhou. Diz que infelizmente a maldição é de grande poder e somente alguns mortos podem retirá-la.

Dá um cristal de âmbar ao grupo, para sinalizar que foram por ele enviados, e os direciona a um espírito da natureza. O grupo segue.

Goozer

Depois de circular bastante dentre os altos e finos troncos das árvores, o grupo encontra um ser translúcido e aparentemente etéreo caminhando a esmo sozinho pela floresta, deixando um rastro de cogumelos por onde passava.

Seu nome é Goozer, um espírito da natureza, que nunca foi vivo, e recebe bem o grupo quando vê o âmbar entregue por Eucaliptus e conversa a respeito da maldição que se abate sobre Muriel. Diz que os condenou foi ter roubado o tesouro dos mortos.

Ao ser perguntado se conseguiria desfazer a maldição, responde com outra pergunta: "O que vocês fariam se eu não os livrasse da maldição? Salvariam Judith, assumindo perante o povo a culpa por ter levado a desgraça junto com o tesouro de Mal’Gazon, ou botariam a culpa toda sobre a bruxa?

Yekaterina toma a palavra e diz que não seria inteligente mentir ao povo sobre tal assunto pois cedo ou tarde a verdade viria à tona.

Já Enéas diz que voltaria, assumiria a cobiça e que não era digno de confiança, mas que se esforçaria para reconquistá-la dali em diante. Goozer olha para o bondoso mago com atenção e o livra da maldição.

O espírito pergunta ao grupo se alguém se sacrificaria para extinguir a maldição. Baudolino se apresenta e diz que sim, mentindo deslavadamente. Goozer, percebendo o embuste, vomita sobre a armadura do guerreiro uma gosma bem verde e pegajosa, aos berrmos de MENTIROSO!!! MENTIROSO!!!, sumindo em seguida.

O grupo acampa em noite tranquila e no dia seguinte a retorna à caverna de Eucaliptus, relatando o encontro e o pouco sucesso na missão de salvar Muriel. O druida recomenda paciência e insistência.

Goozer Novamente

Prontamente os heróis buscam Goozer de novo e desta vez prometem assumir a culpa da maldição perante o povo de Muriel. O espírito concorda mas diz que com seus poderes suspenderá parcialmente o mal sobre a cidade, mas que as atitudes do grupo dali em diante o fariam dar cabo à maldição ou não.

Benefícios do Malefício

Revela, porém, benefícios que traz a maldição: quanto mais forte ela for, mais resistentes ficam os atingidos contra aos poderes de Mal’Gazon e seus monstros.

MECÂNICA PROPOSTA: Jamais acontece life drain; uma eventual falha no dado faz apenas com que a diferença entre o número-alvo e o número lançado sejam contabilizados. Se a contagem chegar a 100, o personagem é corrompido.

O grupo volta para Muriel em seguida.

Comments

balbi

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.